Bolo “maravilhoso” com cobertura de coco verde

5 de março de 2012 § 21 Comentários

Eu não aguento com estes adjetivos que aparecem nos nomes das receitas de livros antigos. Esta aqui foi uma adaptação minha de uma receita da coleção Biblioteca do Lar, que a mamãe comprou quando se casou, há 48 anos atrás. Mamãe usou MUITO este livro, guarda lindas lembranças de receitas especiais feitas para ocasiões especiais, e morre de ciúme de toda a coleção.

Este bolo é realmente maravilhoso, e o pulo do gato é o leite condensado diluído em água morna na massa, e claro, as raspas de limão. Meu único pitaco foi a cobertura de coco verde, que também deu uma levantada e resfrescância. Ah! E também um vacilo que acabou virando sucesso, conto adiante.

Na batedeira, 6 colheres de manteiga + 1 1/3 xícara de açúcar (a receita original mandava 2) até ficar bem homogêneo; depois junta-se 6 gemas de ovos peneiradas e bate-se mais, bastante. Agora soma-se raspas de 1 limão + 1 lata de leite condensado diluída em 1 xícara de água morna + 4 xícaras de farinha de trigo peneiradas + 2 colheres de sopa de fermento (eu fui obrigada a usar apenas farinha de trigo com fermento porque era o que tinha na casa da mamãe, por isso não cresceu muito – sabe que farinha com fermento não funciona, né?), um ingrediente de cada vez com a batedeira a mil. Por fim, as claras em neve, misturadas à massa agora com a ajuda de um fouet, muito delicadamente, para misturar bem sem perder o aerado. Devo dizer aqui, que quando fiz esse bolo esqueci COMPLETAMENTE das claras, mas apesar disso, gostei TANTO da textura, que nem sei se colocaria as claras de uma próxima vez, ao invés disso, acho que as usaria para engomar um chapéu. =)

Pronto, o forno eu sei que você já pré-aqueceu, né? E que também, já untou e enfarinhou a forma, confere? Boa menina! Agora é deitar a massa e levar ao forno até o ponto do palito (o olfato indica), mas na receita eles mencionam coisa de 50min. Enquanto isso, a caldinha abusada de coco verde que eu inventei e que fechou linda, divina, com essa massa: polpa de 1 coco verde batida no liquidificador com pouco mais de meia caixeta de creme de leite sem soro, 1/2 copo de leite de vaca integral, e duas colheres de sopa de açúcar. Depois de desenformado, cobri o bolo com esta cobertura e depois com uma camada generosa de coco ralado. Ah! E enfeitei com morangos. A travessura dos morangos sobre a brancura cândida do coco. Ui!

Ô bolinho bom, Deus é mais! Macio, fofinho, molhadinho, de-li-ci-o-so! Juro de pé junto pr’ocê.

***

Esta é uma adaptação para o momento presente, de um post meu publicado no blog Rainhas do Lar em fevereiro de 2010.

Bolo de laranja para a Joanna

23 de outubro de 2011 § 39 Comentários

No dia 29/06 a leitora Joanna refrescou a minha memória com o seguinte comentário:

“Katita, vc tá me devendo a receitinha do bolo de laranja heim.
Já estou no meu quinto mês de gestação e ainda não fiz o bolo pra matar minha vontade, rsrs.
Arranja um tempinho aí na sua big correria e posta a receita. Vou esperar pra fazer no fim de semana tá?! (uma leve pressionada pra ver se funciona, kkk).
Beijinhos…”

Esse negócio de pedido de grávida é coisa séria, mas não rolava de fazer esse bolo, sabe quando não sai, menina? Acontece que eu tirei um cochilo agora a tarde e não é que eu sonhei com a Joanna me ameaçando já com o menino pelas tampas? Levantei perturbada, entrei aqui para catar o comentário dela e fazer as contas, e pimba! Nasceu a criança sem o bolo de laranja, misericórdia! Porque veja bem, me acompanhe, 5 meses em junho + 4 meses = uma gestação completa.

Gente, me deu uma agonia, uma culpa (vai que esse menino nasce com cara de laranja!) que eu marchei foi correndo para a cozinha para resolver minha pendência, eu hein?

Joanninha, meu bem, se a receita não chegou a tempo para matar o seu desejo de grávida, que chegue em tempo para você fazer para o seu filhote, viu? Me dê notícias!

Mas voltando ao bolinho, coisa simples, viu? Bolinho de café, fofinho, aromático, amoroso.

Acenda o forno médio, unte e enfarinhe uma forma de 20cm de diâmetro.

Escolha duas laranjas de cascas lisas, macias e suculentas e raspe toda a superfície da casca sem atingir a parte branca, reserve. Agora esprema o suco das duas e veja se dá uma xícara, se não, complete com outra laranja.

Na batedeira, 3 gemas peneiradas, 1 xícara de açúcar e 2 colheres de sopa de manteiga bem cheias muito bem batidos até ficar bem lisinho e sem cheiro de ovo; junte a xícara de suco de laranja integral coado, 2 xícaras de farinha de trigo peneiradas, e bata loucamente, esqueça da vida! Depois junte 1 colher de sopa de fermento e bata mais um pouquinho só para misturar. Some as raspas de laranja e dê mais uma batidinha básica desta vez; agora bata aquelas três claras em neve e some delicadamente à massa com a ajuda de um fouet ou espátula de silicone, em movimentos circulares de baixo para cima, que é para não detonar o aeradinho das claras em neve, que deixa o bolo fofinho.

Deite a massa na forma, não esquecendo de dar uns tapinhas no fundo para soltar o ar que fica preso na massa, e caso não suba à superfície resultam naqueles buracos de massa solada (lá eles!), e não pode!

Olha, eu nunca conto tempo no forno, não lembro, porque meu negócio é pelo nariz, mas deve ter ficado lá por uns 40 minutos, eu diria. Será, gente? Ou foi menos? Eu tô dizendo que eu não atento para esse negócio de tempo! Se nem relógio eu tenho?

Mas fica tranquilinha, que vai dar tudo certo. Sempre dá.

Ah! É sempre bom dar uma repassadinha nas regrinhas básicas para o seu bolinho abalar Bangu aqui no post Bolinho amigo, se liga.

Ai, ai, custa nada fazer um bolinho domingo, né?

Nega maluca com calda de nutella e morangos

13 de setembro de 2011 § 18 Comentários

A Nega Maluca do meu tempo tinha café na massa e aquela caldinha rala que ficava crocante quando esfriava, sabe como? Uma loucura, mas eu perdi a receita. Daí que sai lendo várias receitas para entender o princípio e fechei aqui nesta minha versão para aproveitar a nutella e os morangos da geladeira.

Na batedeira, 2 ovos peneirados e 1 xícara de açúcar (usei demerara) por 5 minutos; depois soma-se 1 xícara de óleo (usei canola) e 1 xícara de chocolate em pó (fui dos Frades); bate mais 3 minutos; depois 2 xícaras de farinha de trigo e 1 colher de sopa de fermento; bate mais uns 3 minutos, e por fim, soma-se 1 xícara de leite fervente. Uma vez tudo bem misturadinho, deita-se em forma untada e enfarinhada e leva-se ao forno médio pré-aquecido por coisa de 15 a 20 minutos (pelo menos no meu forno). Enquanto ele esfria, faça a seguinte calda: 200g de nutella + 100g de creme de leite + 6 morangos maduros amassados com um garfo (para ficar os pedacinhos), tudo em fogo baixíssimo até derreter e homogeneizar.

Desenforme o bolo, cubra com a calda, decore com morangos e volte para raspar a panela da calda! =)

***

Eu publiquei este post no Rainhas do Lar em novembro de 2010 e resolvi trazer para cá esta receita delícia motivada pelo e-mail fofo que eu recebi da leitora Bárbara Marguti, a Babi, onde ela diz:

“Katitaaaa!!! (ó que animada, vai vendo!)

Tinha que te mandar essa foto!
Segui sua receita direitinho e dessa vez o bolo não solou, não muchou … nada! (ó que aplicada, vai vendo) Só cresceu, ficou lindão e a sua cobertura… nhami! Dos deuses!!!

Obrigada por todas as dicas e por fazer a vida das suas leitoras mais doce! (ó, que fofa, vai vendo!)

Beijos!

Babi”

Babi, minha irmã, adoro quando um plano dá certo! Gente, olha que espetáculo o Nega Maluca da Babi!

Abalou, colega!
Beijo negão super orgulhoso,
K.

Bolo de fubá mimoso para a Paula

28 de agosto de 2011 § 48 Comentários

A Paula perguntou nos comentários do post Mamãe é de morte se eu tinha alguma receita matadora de bolinho de fubá, e eu tenho sim, várias! Trouxe essa aqui lá do arquivo do Rainhas do Lar.

Bom, fubá mimoso é aquele beeeeeeeeem fininho que a colega compra em qualquer supermercado, ótimo para fazer mingau também. Esse bolinho é tão besta de fazer e tão delicioso que dá gosto!

Bata no seu liquidificador (sim porque você não é obrigada) 1 xícara de leite, 3 ovos, 1 xícara de fubá de milho, 1/2 xícara de óleo, 1 xícara de farinha de trigo, 2 xícaras de açúcar e bata loucamente. Depois some 1 colher de sopa de fermento e pulse um pouquinho (tem gente que diz que não pode bater fermento, daí na dúvida a gente não vai botar o bolinho a perder, né?). Por fim, misture 1 colher de sopa de erva- doce com uma colher, pode até ser no copo do liquidificador mesmo, mas não rola de bater senão espatifa toda a semente e nós queremos elas inteirinhas.

Deite a massa numa forma untada com manteiga e polvilhada com açúcar e leve ao forno pré-aquecido por uns… 30 minutos?

Uma gracinha opcional: corte cubinhos bem pequenininhos de goiabada, polvilhe com farinha de trigo (para não afundar) e jogue sobre a massa antes de levá-la ao forno. Ou então, derreta a goiabada em banho-maria com um bocadinho de água e cubra o bolo depois de assado.

A Elen do Noz na Moscada fez, ó:

E não esqueça de seguir o passo-a-passo do bolinho amigo da Katita, que é para dar tudo certo, ã?

Joanna, deixe de ciúme que eu não esqueci do teu bolinho de laranja, e eu hei de fazer antes do teu filho nascer, minha irmã! É que desse eu não tenho foto e tenho que parar para produzir mesmo! Aguenta aí! =)

Bolo com recheio de ganache dos ovos de páscoa que ninguém dá vencimento (para a Juliana)

5 de maio de 2011 § 38 Comentários

Eu e a leitora Juliana por e-mail:

– … eu como uma mãe exemplar de 2 meninos lindos e que são viciados no chocolate pós-janta, fico me
perguntando o que fazer para driblá-los e acabar logo com esse monte de ovos que estão lá como diabinhos na orelha deles? O que você recomenda? Além de doações, é claro, gostaria de usá-los em receitas.

– Flor, derrete tudo e faz uma musse ou então mistura com creme de leite, derrete e cobre um bolo. Essa mesma mistura com creme de leite pode ser uma das camadas de um pavê, enfim…

– Joguei minha pergunta no google (adoro fazer isso, na maioria das vezes a nossa pergunta está lá do mesmo jeito!) e veio uma idéia legal, uma massa de bolo simples com o chocolate picado no meio,
humm, senti até o cheirinho agora, deve ficar ótimo! com essa chuvinha/friozinha então?

– Vou fazer um creminho de chocolate, com café, amarulla e nozes – é o que eu tenho em casa!

E no dia seguinte a Juliana mandou uma foto do bolinho lindo que ela fez.

A semana passou por mim sem que eu sequer notasse, o creminho com café e amarulla caiu, os ovos de Páscoa de Bento pareciam se multiplicar na geladeira, até que hoje, Mariá, coleguinha de Bê, veio passar a tarde e resolvemos fazer juntos o quê? Um bolinho. Meninas adoram fazer bolinho, vocês sabem, né? Lembrei do bolinho da Ju e fui fazendo esse aqui, meio loucamente, com os dois enlouquecidos do meu lado com tanto chocolate!

Untei e enfarinhei uma forma de bolo inglês e acendi o forno médio. Derreti uns 300g de chocolate com um pingadinho de creme de leite em fogo baixo. Na batedeira, 1 copo americano de açúcar, 2 colheres bem cheias de manteiga e 3 ovos inteiros (preguicinha de separar e bater em neve) até ficar lisinho. Depois 1/2 colher de chá de fermento em pó, umas 5 gotas de essência de baunilha,200g de farinha de trigo peneirada e 1/2 copo de leite para dar uma afinada. Bati muito e depois fui intercalando massa branca e ganache. Por cima uns pedacinhos de ovos de páscoa, tapinhas embaixo da forma, e forno médio pré-aquecido por coisa de 30 minutos.

Bolinho de guri, manja?

Bolo de maracujá, passion fruit, fruit de la passion…

15 de abril de 2011 § 58 Comentários

Meu bolo preferido é de fruta. Mais precisamente este aqui e sua versão laranja (que tem algumas diferenças básicas, mas não se preocupem que logo logo eu faço e publico). Fórmula básica, sem erro, que eu costumo servir para as minhas clientes que chegam no fim da tarde, com café ou chá.

Aqueça o forno a 180° (médio); unte e enfarinhe uma forma pequena de bolo (20 cm) com buraco no meio, toda ela, sem margem. Na batedeira, 4 gemas peneiradas + 1 xícara de açúcar + 2 colheres bem cheias de manteiga de primeira qualidade (Aviação ou artesanais são as mais indicadas). Bata muito sem pressa, da menor à maior velocidade da batedeira ou do braço. Quando o creme estiver lisinho e homogêneo, junte 1 xícara suco concentradíssimo de maracaujá com semente e tudo (coloque na xícara a polpa de 2 maracujás e complete, sem encher, com um pouco de água, pulse no liquidificador, e não coe, pois estas sementinhas espatifadas na massa fazem toda a diferença quando assadas!) + 2 xícaras de farinha de trigo (pode ser integral) + 1 colher de sopa de fermento (olhe a validade e faça o teste colocando um pouquinho na água para ver se borbulha). Bata bem batidinho, sem pressa, da menor à maior velocidade, retire a tigela da batedeira, bata as 4 claras em neve e some, delicadamente ao creme, desta vez usando um fouet ou uma colher de pau em movimentos circulares de baixo para cima, do peito para fora, como quem bate claras em neve com um garfo (já fiz muito isso quando menina auxiliar da mamãe). Isso é para que a clara não perca o seu aerado que deixa o bolo fofinho – crenças minhas que costumam dar certo.

Leve ao forno médio, onde ele deve ficar por uns 30 minutos, mas isso não é regra. Faça o teste do palito quando o cheiro anunciar o ponto, e depois que tirar o bolo do forno faça uma caldinha rala com 1 xícara de suco de maracujá concentrado (proceda da mesma forma que procedeu com o suco da massa) + 1 xícara cheia de açúcar no fogo baixo. Desenforme o bolo e deite a calda ainda quente sobre ele.

Esta medida de açúcar é para pessoas que não o apreciam em demasia e não pretendem sobrepor o azedinho charmoso do maracujá.

Depois me contem. =)

Ah! E não esqueçam das regrinhas básicas para arrasar no bolinho sem medo de ser feliz! =P

A Andiara Duchesqui fez ó:

“Oi Katita, tudo bem?

Só queria te mandar esta foto, fiz teu bolo ontem a noite, olha que lindo!!! E você tem razão, minha casa toda ficou perfumadíssima com o aroma do maracujá…

A cada dia fico mais feliz por poder te acompanhar

Mil beijos da Andiara”

Torta búlgara da Katita

11 de abril de 2011 § 139 Comentários

Olha, se eu já comi algum bolo de chocolate melhor do que este, sinceramente, não me lembro. E quando eu digo este, sem modéstia (ora, bolotas) é este aqui mesmo: a versão da torta búlgara que eu pesquisei e desenvolvi para agradar o meu paladar, que não gosta de doce muito doce.

São muitas as receitas de torta búlgara que existem por aí, mas muitas delas são feitas com Nescau (que já é muito doce), açúcar e ainda tem versão com calda de leite condensado! =O

A minha pesquisa começou quando comi a torta búlgara absolutamente divina do boteco japa Ponto 3 no Farol da Barra. Fiquei ali chapada comendo aquele trem e tentando separar os sabores e proporções. Cheguei em casa e fui direto para a internet para pesquisar receitas, quase todas muito açucaradas, mas entendi o princípio e mal pude esperar o dia amanhecer para ir até o mercado comprar os ingredientes. A minha torta búlgara seria feita com chocolate em pó com o mínimo de açúcar possível, ainda assim, eu reduziria a quantidade de açúcar da receita básica, não usaria as claras dos ovos e faria creme azedo para acompanhar, que daria frescor e equilíbrio àquela massa densa de chocolate. Meu plano não poderia falhar! E não falhou mesmo. =))))))))))))))))))))))))))))))))

Bom, minha torta búlgara perfeita foi assim:

Derreti 300g de chocolate em pó (dos frades) numa panela com 200g de manteiga (com sal mesmo); quando estava homogêneo, tirei do fogo (se você não fizer isso – tirar do fogo para somar as gemas e o açúcar – a torta carameliza, endurece, dança!) e juntei 6 gemas peneiradas e 250g de açúcar; misturei bem e levei de volta ao fogo em banho-maria por uns 5 minutos até ficar uma coisa linda. Nessa hora é punk para mexer, a massa vira uma espécie de lama super densa. Outro detalhe é que mesmo usando uma quantidade menor de manteiga do que consta em todas as receitas que li, nessa hora a massa ainda soltou um pouco de óleo que removi todo da superfície com a ajudar de uma colher.

Pronto! Foi deitar numa forma apenas untada e levar ao forno médio pré-aquecido, em banho-maria, por algo em torno de 30 a 40 minutos, a depender do poder do teu forno. Desenforme morno.

O último segredo da minha tortinha luxo-poder-cobiça é cobrir com um pouco de creme azedo gelado na hora de servir. A minha versão eleita é uma mistura da receita da Nigella com a dica de um amigo: 200ml de creme de leite (fresco ou sem soro) + suco de 1/2 limão bem suculento + 1 pitada de sal, bem batidos no mixer ou no fouet. Depois é levar à geladeira por, pelo menos, 30 minutos antes de servir/ utilizar.

Essa aqui vai para o meu top 5 obra-prima-categoria-doce. E outra: muito simples, ó que beleza!?

(!) Publiquei este pitéu no blog Rainhas do Lar em junho de 2010. Esta é uma versão revisada.

Onde estou?

Você está navegando atualmente a Bolos e tortas doces categoria em .

%d blogueiros gostam disto: