As padocas da minha área

18 de abril de 2012 § 49 Comentários

Salvador ainda não tem uma cultura de padaria, sabe? As padocas como áreas de convívio, onde a gente para para ler o jornal, encontra pessoas, toma café junto e faz até reunião, essas coisas. Café da manhã e sopa em padarias é uma coisa relativamente nova por aqui. Não digo comer um sanduíche na chapa no balcão, mas o evento café da manhã, entende? Essa é uma das coisas que me faz sentir saudades de São Paulo, mas até que não posso me queixar de boas padarias ao redor. Das mais caras na Graça, às mais populares no Dois de Julho, passando pelas intermediárias no Campo Grande e Garcia, tem para todos os gostos e bolsos. Vamos aos pontos altos e baixos de cada uma delas para você me dizer depois se eu viajei ou fecha comigo.

A Favorita

Das antigas. Aberta em 1952, esta padoca localizada no Campo Grande, em frende ao Forte de São Pedro tem 3 pontos fortes e 2 pontos fracos, na minha opinião. Os fortes são: o melhor pão de sal da cidade; a melhor vara mista na chapa com café coado no balcão; e a oferta de mini pães de vários formatos fofinhos e sabores e cores mil no balcão dos fundos, que eu adoro comprar para festa. Já os pontos fracos, são a dificuldade para estacionar e o espaço interno pequeno que causa algum desconforto nos horários de pico, especialmente na fila dos dois caixas. Mas o pão de sal vale super a pena, é campeão.

Di Mercatto

Esta é uma padoca metida a grã-fina. Oferece uma boa variedade de pães, salgadinhos e doces, tem um layout bacana, que permite uma boa circulação entre as áreas da lanchonete, mini mercado, padaria, restaurante no mezanino (com café da manhã aos domingos e almoço diariamente), balcões de sopa e mingaus, e até mesmo uma pequena adega. Engorda só de entrar de tanto pão cheio de creme, de tanto doce, de tanto salgadinho. Almocei uma única vez lá para nunca mais, pois era tanto purê e rocambole e massa e arroz e molhos brancos e manteiga boiando, que eu paralisei. As sopas, assim: já tomei algumas divinas, mas tenha medo das cremosas, todas trabalhadas no amido. Excesso de sal é recorrente, como também a sua total ausência. É pedir para experimentar antes de assinar o contrato. Recentemente eles incrementaram mais o balcão com oferta de pizza que a gente monta na hora e leva para casa. Encontrei Ronei Jorge dia desses lá, que me garantiu que valia a pena, comprei e achei a massa bacaninha, mas os recheios…nhé! =/
Recomendo a baguetinha de massa folhada com recheio de ricota e os mini pasteizinhos de queijo assados com mesma massa. Os pães são legais, mas tudo é MUITO caro. Ah! E os funcionários não são felizes, exceção a uma fofa baixinha de óculos que atende no balcão da lanchonete, risonha e alheia aos dissabores da vida. Na Rua da Graça, no Posto Touring, perto do Largo da Vitória, em frente ao Frio Gostoso. Tem manobrista e bomba demais entre 18h e 19h, Deus é mais!

Garcia Delicatessen

O lema do Reginaldo é servir bem para servir sempre. Entenda-se por servir bem, recheios generosos dos pães, salgadinhos e sanduíches. Taí um cabra honesto, trabalhador, classe A, gente fina. Conheci o Regis assim que ele abriu a padoca, na época em que eu captava apoios culturais para as minhas produções na unha, batendo de porta em porta com o projetinho embaixo do braço; numa época em que não havias cursos de produção cultural nas faculdades, nem leis de incentivo, nem coisas que tais. O Regis topou de cara apoiar o coquetel de lançamento do Don´t Mess With The Dead Billies na Arqueria, seria bom para divulgar o seu nome. Mas cadê a logomarca para colocar no material gráfico? Não tinha. Ah! Não precisa não, exclamou o Regis em sua ingenuidade e bom coração. Mas eu não queria só resolver minha paradinha, pois sempre me preocupei com um retorno para os meus apoiadores, tinha que ser bom para os dois lados, eu tinha que deixar um gosto bom na boca deles, daí que eu falei: Regis, como assim? Vou fazer uma marquinha pra tu, valeu? Nada demais, só para colocar no material gráfico, para o seu nome aparecer, ora bolas! Detalhe: eu só sabia labutar com o Word e com o Excell (malmente), e lá fui eu fazer o logo do Garcia Delicatessen, uma coisa provisória, só para ele ficar feliz. E não é que ele ficou tão feliz que alguns meses depois tô eu passando na frente da padoca e vejo o meu “logo” na fachada? E mais ainda, impresso em tudo quanto é papel de pão. KAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKAKA! Gente eu não sabia se eu ficava feliz ou morria de vergonha, mas o fato é que o logo continua o mesmo mais de 13 anos depois, quem aguenta?

Bom, mas voltando à padoca, que ampliou seus horizontes com um puxadinho lateral e passou a oferecer também mini mercado, sopas, mingaus e lanchonete por preços honestos, recomendo o pão francês quentinho e os sanduíches de chapa na lanchonete, apertadinha, mas funcional. Lá os funcionários parecem bem mais felizes. É o que o Regis é muito boa praça. Na Leovigildo Filgueiras, aquela rua do lado do TCA, sentido fim de linha do Garcia, lado direito, logo após a Rádio Exelcior.

Deli & Cia

Esquema Graça, o que significa cara. Boa variedade de pães deliciosos, balcão de frios bacana, boas opções de biscoitinhos artesanais e manobrista. Os pontos altos são o café da manhã aos domingos (não deixem de experimentar os beijuzinhos e mingaus), de preferência sob a árvore da pequena área externa, e os salgadinhos de festa versão mini, vendidos por quilo, sempre quentinhos e crocantes. Os funcionários também não parecem muito felizes por lá. Não curto muito o astral de lá não, mas é boa. E cara, já falei né? Na Euclides da Cunha.

Bola Verde

Das antigas também, a Bola Verde fica no Dois de Julho e é passagem obrigatória para mim quando vou para aquelas banda, para comer sonho com café preto no balcão externo que dá para o largo. Só é pequenininha demais, mas lá encontro pães naqueles formatos de interior, sabe? Eles vendem manteiga a granel, lanches româticos tipo bauru, essas coisas. De uns tempos para cá, deram uma enlouquecida e colocaram um balcão central com oferta de produtos importados maravilhosos, tipo uma micro-Perini no centrinho da padoquinha, com geléias, enfrascados e enlatados super legais, e tem até um pequeno espaço para vinhos bem honestos, por preços mais honestos ainda. Adoro a atmosfera, mas é por causa do Dois de Julho, que eu amo loucamente apesar de tudo, mas isso é conversa para uma série que está engatilhada aqui e não sai nem amarrada de corda! Ah! O pão não é essas coca-colas todas não, mas quem se importa? É tão legal ficar ali sentadinha do lado de fora tomando café e observando o movimento do Dois de Julho e seus personagens pitorescos!

§ 49 Respostas para As padocas da minha área

  • Valzinha disse:

    Ok. Você postou isso em 18 abr 2012. Mas eu vim procurando um mingau e a palavra-chave me trouxe a esse post. São as padarias da minha área também e eu amei as descrições! Constatei que, praticamente, só não fecho contigo no que não experimentei. E os funcionários da Deli&Cia e do DiMercato não enxergam o lado bom da vida mesmo, concordo total. A do Garcia fez parte da minha infância e adolescência. Ai ai… alegrou a minha tarde. Além de me divertir e identificar, trouxe umas lembranças boas que só.
    E mais… pense numa pessoa que anda na mesma área e te encontra vez ou outra! Não bastasse a grata surpresa na SubWay que me rendeu um post de aniversário no “Rainhas” e o esperado molho de acerola. Você ainda lembra?

    Sempre bom te encontrar, não foi diferente hoje, mesmo virtualmente. 🙂

    Curtir

  • Dora Ferreira disse:

    Katita, eu tamém adoro padarias. O pão do Garcia é uma delícia mesmo, pena que eu moro loooonge. E o Reginaldo foi meu colega de trabalho quando éramos ainda adolescentes, gente muito boa…
    Menina, tu já fez foi coisa nessa vida hein? ou melhor, faz é coisa…
    beijos

    Curtir

  • evelyn schuermann disse:

    dooo que se trata a vara mista da favorita? haha

    Curtir

  • Camila Oliveira disse:

    Katita,
    Pois aqui na Suíça padaria só vende pão, no máximo bolo. Isso de poder comprar de um tudo, manteiga, leite, presunto e ainda fazer lanchinhos, não tem não nega.
    Padaria vende pão, farmácia só vende remédio, um tédio…
    Beijos lindona!

    Curtir

  • Oi Katita, aqui no setor onde moro está tão difícil achar uma padaria que faz um pãozinho honesto, mas quando quero mesmo um pão de qualidade tenho que andar longe. Agora achei interessante seus pontos de vista e concordo que normalmente o almoço na padaria não é legal, pois mais que seja o mesmo ramo (alimenticio) foge do sabor, a qualidade, alguma coisa não fica legal. Quando vier em Goiânia vou te convidar para ir na MOREIRA, tem um café da manhã bem variado entre frutas e quitandas, será ótimo! Bjuuu querida

    Curtir

  • Diane Lorde disse:

    Padarias são mesmo uma tentação, aqui em Sampa quando morava no bairro do Jaguaré frequentava uma padaria que chamava de “minha”..rs

    Curtir

  • klaudioca disse:

    Katita, taí uma coisa que é bem servida aqui no Rio, padaria, cada esquina tem uma melhor que a outra.
    Adorei seu post principalmente por matar a saudade do Bola Verde no 2 de Julho, sempre comprava pão lá com um amigo, depois íamos comprar requeijão e sentávamos lá na praça pra conversar e comer sanduíche com Coca-cola. Bons tempos!
    Beijoca

    Curtir

  • Luma disse:

    Êba, vou em todas essas! Mas o café da manhã domingo na do Garcia é de lei!
    Não sei se você conhece, mas tem uma na Rua Direita da Piedade, próxima à Ladeira do Salete, chamada Bella Vitória. Preço justo, vários tipos de pão e sopinha boa pro jantar =)

    Curtir

  • Miriam Gabriela disse:

    Moro em SSA desde janeiro e não fazia idéia da existência da padaria Favorita…meu marido trabalha no Forte São Pedro!!! Já passei pra ele a missão de comprar o pão de lá…estou louca pra confirmar que é o melhor pão da cidade!
    Ultimamente tenho comprado na Super pão na Pituba…gosto do pão de lá e de um bolo de ameixa com chocolate e leite condensado que é sensacional!
    Bjos Katita!

    Curtir

  • Suzi Márcia disse:

    Katita,minha nega! tu consegue o impossível: melhorar Salvador! Essa terra, que já é um desbunde, narrada por ti é covardia!
    Beijos!

    Curtir

  • ninepf disse:

    Katita do céu!!! Quando fui pra Salvador tinha uma padaria perto do 2° hotel que fiquei, na subida pra Vila Militar sabe!? O nome é Doces Sonhos, nunca esqueci. Cara, mas deliciosa. Foi ela que fez eu decidir que um dia morarei em Saõ Salvador!!!!

    É mto mto amor!!!! (L)

    Curtir

    • Katita disse:

      Nine, a Doce Sonhos que eu conheço é uma doceria e lanchonete, famosa e premiada pelas tortas.É isso? Você deve ter conhecido a loja da Pituba. tem uma outra aqui perto de casa, na Vitória. É sucesso, mas eu passo batida no quesito doces.
      =)

      Curtir

  • Aline Mendes disse:

    Engraçado que eu, uma mineira morando no interior de São Paulo, sinto como se já conhecesse Salvador há tempos, de tanto ler sobre seus mercados, ruas e restaurantes no blog.
    Acho que fui fisgada de vez pela sua simpatia, Katita!

    Ah, em Minas é pão de sal, mas se eu falo assim em São Paulo todos me olham com a maior cara de interrogação, sem saber do que se trata!

    Beijos!

    Curtir

  • Luciana disse:

    Katita, fui a Salvador ano passado e o que me deixou com mais saudade de SP foi a pizza. Me desculpe os pizzaiolos baianos mas a pizza daq não se compara. Fora o $$$$!!!!! Beijosssss. PS: Vc tá lindooooooooona no vídeo

    Curtir

  • Marcia disse:

    Katita, foi um “transmimento de pensacao” esse teu post.
    To rachando de rir aqui…
    Tava indo pro trabalho hj dando meu rim pro um misto de padaria com um suco de laranja espremido na hora.
    Boa paulistana que sou, nao me contentava com as padocas de Salvador, mas agora amiga, daqui de perto do Polo Norte, toparia qq uma dai, FELIZ!!!
    Aqui tem umas padarias portuguesas, mas nao tem nada a ver com as nossas padarias.
    bjos

    Curtir

  • Livia Palma (Aracaju p/niver do filhão) disse:

    QUEM….QUER PÃO?Quem quer pão?……
    Menina ninguem resiste…Qdo pequena passava manteiga nele quentinho (cacetinho) e botava uma chuvinha de açucar refinado (união) em cima e mandava pra dentro…..kakakakakakakkak
    Êta tempos!
    Valeu! Gata.
    Bjs cheios de saudades!

    PS Fiz File de peixe ao molho bechamel de laranja pro jantar de hoje,
    depois lhe digo.

    Curtir

  • Taís F. Gaspar de Araujo disse:

    Katita; também sou apaixonada por padarias, como hoje moro no interior, sempre que chego à SSa, são paradas obrigatórias!!!!!!!! Agora, vamos combinar que funcionários felizes e boas padarias não são figurinhas muito fáceis de se achar em Salvador, minha área rola entre a Pituba e o Itaigara, por lá não encontramos mais essas proezas populares, só as caras mesmo, mas infelizmente, apesar de lugares maravilhosos, a felicidade não reina, uma pena! bjkas

    Curtir

    • Katita disse:

      Taís, eu sempre associo o humor dos funcionários ao tratamento que recebem da empresa onde trabalham, sabe? É lógico que tem gente que nasceu casca grossa e vai morrer assim, mas o respeito pelo funcionário é capaz de operar verdadeiros milagres!
      Beijo, boneca.
      K.

      Curtir

      • Taís disse:

        Katita, vou ratificar meu comentário sobre funcionários felizes. Domingo tive o prazer de tomar um excelente café da manhã na padaria Gilzan na Pituba, o preço apesar de salgadinho era por quilo, então comeu pagou, o que eu acho justíssimo. E os funcionários, diga-se de passagem, uma atração à parte…….. Excelente atendimento desde o manobrista até o caixa. Virei freguesa de carteirinha!
        Agora, o bombocado de queijo parmesão que eles fazem lá, nossa, é incrível!
        bjs
        Taís

        Curtir

      • Katita disse:

        Um bombocado de parmesão e funcionários felizes são dois fortes motivos para conhecer a Gilzan, que até hoje só passei pela porta.
        Obrigada Taís!
        Beijoca,
        K.

        Curtir

  • claricebueno disse:

    Katita, AMO de paixão essa logo retrô da Garcia Delicatessen e olha de quem é a obra! Sou muito sua fã mesmo 🙂

    Também não curto o clima fake da Deli&cia, mas o caldo de legumes de lá é uma coisa de tão bem feito e temperado. Pena que tem que acertar o dia e a boa vontade da cozinha.

    Beijão.

    Curtir

  • Anacy disse:

    Katita
    Você é luz! Muito bom abrir o e-mail e ler suas mensagens. Fico rindo sozinha. Minha filhota, pergunta se estou maluca. Ás vezes torço pra encontrar você quando vou por essas bandas da cidade. Também gosto de andar por lá.
    Beijos
    Anacy

    Curtir

  • Carla (do Baianices) disse:

    De todas, so nao conheco a do 2 de Julho. Como eu morava ali pertinho, ia andando pra Favorita, entao nao precisava estacionar. Mas as filas no fim da tarde sao de matar.
    A do Garcia assino embaixo, tudo delicioso. Ja fiz festinha comprando quase tudo ali. E agora sabendo que o logo e’ seu….hahahaha!

    Curtir

    • Katita disse:

      Carlinha, eu também moro bem perto da Favorita, mas tem dia que eu passo lá voltando do trabalho de outras bandas…sabe a parada na padoca ante de ir para casa? Aí é a treva pra estacionar, mas eu não desisto daquele pão!
      =)

      Curtir

  • Eloisa disse:

    Queridíssima Katita: o que vem a ser uma “vara mista”???!!!
    Aqui no Rio de Janeiro tem isso não…

    Curtir

  • Fábio disse:

    Katita, aqui em Fortaleza a grande maioria das padocas são boas, todas servem café, almoço e janta, massas e pizzas, fora todo tipo de pão.
    Agora essa coisa de funcionários não muito felizes parece que é uma máxima no nordeste, aqui tb é muito triste, e ainda te maltratam.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento As padocas da minha área no .

Meta

%d blogueiros gostam disto: