Fatias de parida (mas pode chamar de rabanada)

25 de novembro de 2011 § 28 Comentários

Minha caixa de e-mails já tá bombando de coleguinhas eufóricas querendo fofocar sobre o Natal, pedindo idéias para décor, árvore, ceia, e eu bem doida no meio disso tudo, né? Respondendo meio que “hã?”, “como assim”, “Natal, já?”, porque, na bôua, eu não faço a MENOR idéia do que vou fazer, de como vai ser o Natal esse ano, não tive tempo para pensar em nada, porque eu trabalho MUITO em dezembro.

Seja como for, aqui em casa o esquema é muito pequeno; somos eu, mamãe (que este ano deve estar em São Paulo com as irmãs), Bento, minha amiga-irmã Rose, e uma ou outra ovelha desgarrada querida que sempre aparece. Também dou zig na data, porque no dia 24 Bento passa na casa do papai, que é condomínio de casas e tem Papai Noel circulando numa pickup distribuindo mimos para os guris, que piram o cabeção. Daí eu acabo passando por lá também e comemoramos aqui em casa no dia seguinte, com um almoço bem solar, de preferência.

Bom, a única coisa que eu sei é que vai ter rabanada para o café da manhã, e para abrir os trabalhos eu trouxe essa receita que publiquei lá no Rainhas do Lar em julho de 2008, atualizada aqui para o Pitéu:

Mais para o Sul e Sudeste do país atende pelo nome de Rabanada (que teria origem portuguesa), e tem data certa para figurar nas mesas, no Natal. Já para as bandas do Nordeste, atende por Fatia de Parida, e é muito mais popular e presente nas mesas dos cafés da manhã nordestinos durante todo o ano, e justamente por isso quase não aparece muito nas ceias natalinas, pois seria como chover no molhado. Mas aqui em casa super rola no Natal, adoro!

A Rabanada é mais metida a besta, até porque precisa de uma dose maior de glamour para entrar no rol da ceia natalina, daí que eu já vi mil versões com inclusão de licores e geléias e coisas que tais em sua composição.

Mas por que Fatia de Parida? Bem, porque reza a lenda que tal guloseima seria muito recomendada na dieta das recém-paridas em resguardo.

Fazer Fatia de Parida é muito simples: basta cortar o pão francês dormido em rodelas, deitá-las numa fôrma, hidratá-las com leite, depois passá-las em ovos peneirados e ligeiramete batidos, fritá-los em óleo quente (fui de Canola), escorrê-los e envolvê-los em açúcar e canela. Você terá uma massa crocante por fora, macia por dentro, e levemente adocicada.

Se quiser versão glam, misture um pouco de licor do tipo Bailey´s ao leite e guarneça com um geléia escândalo! Mas eu gosto mesmo é da receitinha bááááááááááásica.

§ 28 Respostas para Fatias de parida (mas pode chamar de rabanada)

  • […] de fatia-de-parida. Mas pode chamar de rabanada. Compartilhe!Tweet Listinha de Natal » […]

    Curtir

  • katita, a respeito da sua pergunta sobre fazer as rabanadas com calda de açúcar: hidrate o pão com leite e passe nos ovos peneirados e batidos como você faz. Em um tacho (destes de cobre, que mineiro adora e a saúde pública diz que não pode), você faz uma calda rala de açúcar e água. Quando estiver fervendo, você “frita” os pedaços de pão nesta calda. Vai colocando em uma travessa e depois joga canela por cima. Não precisa de mais açúcar porque você já usou na calda.

    Curtir

    • Katita disse:

      Beatriz, ‘cê sentiu que eu fiquei meio bolada com essa coisa de “fritar” em calda de açúcar, né? Mas agora que eu entendi direitinho o processo, graças à sua generosidade e paciência, eu saquei que já comi rabanads assim. Elas ficam mais durinhas e compactas.
      Saquei. =)
      Obrigada, frô.

      Curtir

  • Mayara disse:

    Ai meu Jesus, te achei..estava orfã depois do rainhas do lar..

    Curtir

  • Sílvia G. disse:

    Êta Brasilzão de meu Deus.
    No interior do RN a gente chama de “chapéu de couro”… rs.

    Curtir

  • ana paula disse:

    Katita, conta aí como é que seu quarto ficou depois da pintura nova.
    Tô curiosa, mulher!!
    E ficaram lindas suas rabanadas. As minhas ficam murchas, achatadas. Não sei se o oléo tem que ser bem quente ou se o problema é na hora de cortar o pão.
    Beijinho.
    Ana Paula

    Curtir

    • Katita disse:

      Ana Paula, não terminei o quarto, gata. Fui atropelada por um casamento que estou fazendo no sábado!
      Sobre as rabanadas, sim, o óleo tem que estar bem quente como para qualquer fritura e as fatias tem que ser grossas porque depois de fritas elas perdem volume!
      Beijim,
      K.

      Curtir

  • Adoro rabanada e minha mãe é quem a faz, com uma diferença que a deixa muito mais saborosa e “molhadinha”. Ela não frita as fatias de pão no óleo e sim em uma calda rala (açúcar e água). Os outros passos são exatamente iguais à sua receita. É só comer rezando “xô calorias que este corpo não te pertence”.

    Curtir

  • Joy Cleave disse:

    Imagina se nao deu vontade de fazer isso pra pirar o cabecao dos gringos aqui? HA! Ja to ate vendo…HAHAHAA

    Brigada flor

    Curtir

  • Marilene da Silva Bastos disse:

    Ka eu amo rabanada, e lá em casa tem a tradição, minha mãe monta e eu fico responsavel pela fritura das delicias, eu adoro comer uma logo que sai, quentinha….delícia!!! Mas nunca conheci com esse nome… Bj

    Curtir

  • Erika disse:

    Queridíssima Katita,
    Por favor, não esqueça de postar as fotos dos eventos do final do ano…adoro seu poder criativo.
    Fique com Deus
    Um grande beijo
    Erika

    Curtir

  • Karla Maria disse:

    Amo rabanada “de com força” e tb chamamos de fatia de parida.
    Ka, o Bê me facilitou a vida, olhávamos fotos de Natais antigos e ele não lembra de muita coisa, então vou repetir ceias e decoração que fiz pra e com ele em anos anteriores. Achei tão bom.
    Bjs pra vc e pro “gigante devorador de casinhas” mais lindo do mundo.

    Curtir

    • Katita disse:

      Karlinha, ainda ontem eu estava pensando uma coisa sobre repetição, que uma das certezas que eu tinha é que ia reproduzir receitas certeiras já realizadas com sucesso. Não tô para me aventurar?
      =)
      Beijos maiores procê e seu Bê!
      K.

      Curtir

  • Dani Falcão disse:

    Katita, o único ítem que não falta aqui é justamente a rabanada!
    AMO! Aqui no RJ existe um pão específico sim, ele não tem cortes (como o francês) e é mais macio, grandão. Durante o ano faço com o francês mesmo, para matar a vontade… Com pão de leite nunca fiz, mas a vontade de testar está me tentando!
    Achei este texto aqui: http://www.orapoiscongeladosportugueses.com/index.php?option=com_content&view=article&id=23:rabanada-historia-e-receita&catid=4:receitas&Itemid=4
    Beijocas de comadre sumida (que está aprontando muito na cozinha, você e Faby têm grande parte nisso!)

    Curtir

  • Marcia disse:

    Katita, sempre vejo seus feeds no teu blog e amo. Claro q tem vezes q morro de inveja e saudade. Moro Canada, mas ja morei 3 anos em Salvador.
    Suas fotos de frutas, sua linguagem me matam de saudade! hahahhah
    Qdo abri teu blog e vi vc falando de rabanadas quase tive um treco, to doida pra te perguntar se vc tem receitas pro natal que envolva ingredientes locais, por exemplo q sobremesa posso fazer com siriguela? jambo da pra fazer uma mousse?
    vi uma receita de risoto de caju que doida pra testar.
    da umas dicas pra gente!!!
    bjos

    Curtir

  • Evelyn disse:

    No Rio não é brioche não… se chama pão pra rabanada mesmo hehehehehe É como se fosse uma baguete mais grossa e a massa mais seca e densa. A casca é mais fina tbm…

    Nham! Deu até vontade!

    Curtir

  • Karine disse:

    Eu tinha esquecido de Fatia de Parida…ô saudade de quando eu era criança e podia comer frituras à vontade…kkkkk

    Adoreiiii

    Curtir

  • Lícia Dutra disse:

    Eu amoo rabanada,minha mãe fazia de vez em quando e eu tb,mas cresci chamando de Maria parida e não me pergunte o porq.,mas eu achava que era o certo,kkkkkk… Beijos

    Curtir

  • Raquel Pereira Knop disse:

    Oi Katita….deixa eu te contar uma história: sou carioca de mãe baiana e pai catarinense…hehehe…vivi no RJ até meus 25 anos….sempre comemos rabanada no Natal e minha mãe e tias (baianas) nunca deixaram faltar a tal fatia de parida…q os vizinhos (cariocas) e meu pai (catarinense) se acabavam de comer…agora estou morando na terrinha de papai…SC…aqui não tem essa tradição…eles não comem rabanada no Natal( pelo menos a família de meu pai e de meu marido não tem esse costume)…e lá no Rio lembro q nas padarias vendia-se um pão especial pra rabanda(tipo uma bisnaga só q mais grossa)…mas na sua receita vi q rola com pão francês mesmo,né?! Seis anos em SC,seis anos sem rabanda no Natal…mas agora com sua receita me empolguei….abraços!!

    Curtir

  • Andrea - Recife disse:

    Delícia Katita! Agora, quanto ao nome, cresci comendo em casa “fatias douradas”, não é lindo? Não sei de onde vem esse nome, mas na minha casa era esse que usávamos. Bjs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Fatias de parida (mas pode chamar de rabanada) no .

Meta

%d blogueiros gostam disto: