Cozinha ilustrada apresenta: “O caso do bigato do jiló”

25 de fevereiro de 2011 § 44 Comentários

Ilustração de Lila Cruz para o Pitéu

Era uma vez uma moça que adorava jilós, era o seu vegetal preferido. Comia-os sempre inteiros e os mastigava com aquele prazer que faz cerrar os olhos. O jiló era a grande vedete do cozido, e as quintas-feiras era o dia mais aguardado da semana, quando aquele restaurantezinho de comida caseira, próximo à repartição, servia a tal iguaria.

Um dia porém, toda a verdade sobre os jilós veio à tona, quando um amigo, da sua maior confiança, vendo-lhe salivar enquanto esperava o seu rico cozido, comentou assim como quem não quer nada, que todo e qualquer jiló possui, no seu íntimo, um bigato. Vivo.

Ainda distraída, a moça perguntou:

– Mas… o que é bigato?

– Como o que é bigato? Você não sabe? Logo você que gosta tanto de jiló!

– Não, não sei – retrucou a moça, ajeitando-se melhor na cadeira e assumindo um ar agora mais interessado.

– Xi! O pior é que agora eu não sei se devia dizer…

O interesse começou a virar preocupação, e agora, com voz grave, entoou mais uma vez a fatídica pergunta, naquele tom ameaçador de quem quer a verdade, e a quer agora:

– Eduardo, o que é um bigato? – já engolindo em seco.

– Rachèlzinha, bigato é o bicho do jiló – respondeu com a sua habitual tranquilidade e naturalidade irritantes àquela altura.

– Co-mo as-sim bi-cho do ji-ló, Eduardo? – transtornada.

– É, Chèl, bicho do jiló… não tem o bicho da goiaba? Só que esse é bem maior, bem branquinho e fica no meio do jiló.

– Ah, sei… bem maior! Eduardo, eu sempre comi jiló e nunca vi bigato nenhum – tentando provar para Eduardo (e principalmente para si mesma) que aquilo tudo só podia ser um grande, enorme equívoco.
Claro que era!

– É? Então tá… quando chegar o cozido, você checa.

A essa altura Rachèl, apavorada, perscrutava a fisionamia plácida de Eduardo procurando algum traço que apontasse para uma pegadinha de péssimo gosto, que era tudo o que ela mais queria, apesar de odiar pegadinhas de péssimo gosto; ao menos tempo em que circulava os olhos pelas mesas ao redor perguntando a si mesma se todas aquelas pessoas sabiam que estavam ingerindo abomináveis bigatos.

Mal cogitou a possibilidade de sair correndo dali até o hot dog mais próximo, o cozido chegou fumegante, trazido pelo garçon de sempre, tão orgulhoso por trazer-lhe o seu quitute favorito.

Rachél jamais havia olhado para o jiló com aqueles olhos. Olhos de quem fora traída a vida inteira. Num rompante, atacou o primeiro jiló que viu e abriu-lhe ao meio com um golpe de faca. Lá estava ele: um visguento bigato, também partido ao meio.

– Isso só pode ser uma coincidência! Não é possível que haja bigatos em todos os jilós! – e apanhou o segundo. Desta vez foi mais cuidadosa, e parecia orar para que não… mas lá estava ele: o segundo bigato visguento.

Por fim, sendo 3 o seu número de sorte, resolveu partir furiosamente o último jiló, que seria a prova incontestável do relato do amigo (da onça, no caso), se houvesse ali mais um insuportável bigato visguento… e lá estava ele. Deixou cair os ombros e com os olhos fitos nos bigatos:

– Com que direito, Eduardo? Com que direito?! – perguntou-lhe, desolada para todo o sempre.

* * *

Cozinha ilustrada é uma série de textos escritos por mim, inéditos ou já publicados nos meus blogs anteriores, porém revisados e ilustrados por amigos artistas visuais especialmente para o Pitéu. A periodicidade é aleatória. O caso do bigato do jiló foi escrito em 2004 para o Banho-Maria, meu primeiro blog.

Confira o trabalho de Lila aqui ou pelo twitter @colorlilas.

§ 44 Respostas para Cozinha ilustrada apresenta: “O caso do bigato do jiló”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Cozinha ilustrada apresenta: “O caso do bigato do jiló” no Pitéu.

Meta

%d blogueiros gostam disto: